Processo seletivo do NAT encaminha socorrenses para o mercado de trabalho

A Prefeitura de Nossa Senhora do Socorro, através da Secretaria Municipal do Trabalho (Semtrab), realizou na manhã desta quarta-feira, 4, processo seletivo para preenchimento de vagas na área de auxiliar de produção, além de jovens e adolescentes para estágios e o programa jovem aprendiz.

De acordo com o secretário da Semtrab, Alessandro Santos, a missão da secretaria nesses processos seletivos é recrutar e encaminhar os perfis compatíveis com o que a empresa contratante exige. “O nosso papel é fazer a ponte entre empresas e trabalhadores, a gente capacita e encaminha de acordo com o que as empresas nos pedem. Na seleção de hoje recrutamos 600 currículos com perfis para trabalhar nas fábricas, além de 200 jovens e adolescentes para o programa Jovem Aprendiz”, destacou.

Em busca do primeiro emprego, a estudante Nicole da Silva Dias Santos, 18 anos, falou sobre a expectativa da seleção. “Fiquei sabendo desse processo seletivo através das redes sociais da Prefeitura, pedi a ajuda de um amigo para fazer meu currículo, e mesmo sabendo que é bastante concorrido decidi participar porque acredito que é a oportunidade de conseguir meu primeiro trabalho com carteira assinada e assim conquistar minha independência”, pontuou.

Segundo a analista de carreira, Fernanda Guimarães, os currículos recebidos hoje já passam pelo processo de triagem, os candidatos fazem uma prova e os aprovados já são direcionados para as empresas. “Meu papel além de receber os currículos é analisar os que de fato possuem o perfil desejado pela empresa contratante e encaminhá-los. Como para muitos desses jovens e adolescentes é o primeiro emprego, nós também orientamos e fazemos o acompanhamento de cada candidato até a contratação”, afirmou.

Por: Ana Lúcia Carmo

Fotos: Janaína Costa

Rede Municipal de Nossa Senhora do Socorro Integra Programa Escolas Associadas da Unesco

A Prefeitura Municipal de Nossa Senhora do Socorro, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), reforça o compromisso de oferecer aos socorrenses uma educação pública de qualidade. A partir da compreensão desta responsabilidade, a Rede Municipal abraça a proposta da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e a Cultura (Unesco) e nove unidades de ensino se inscrevem no Programa de Escolas Associadas (PEA).

“Diante da globalização e considerando a importância do intercâmbio e troca de experiências, participar da rede PEA representa um avanço nos processos que orientam uma educação focada nos princípios dos Direitos Humanos e da Cultura de Paz” apresenta a secretária Municipal de Educação, professora Josevanda Mendonça Franco.

Apoio da Semed

Antes do processo de inscrição das escolas foram realizados três encontros: o primeiro para a apresentar o programa e as suas especificidades, o segundo foi por agrupamento das escolas e o terceiro para o acompanhamento técnico e tradução do formulário.
O técnico da Inspeção Escolar, professor Luiz Eduardo de Andrade Lima, explica que a inscrição foi realizada em português e inglês.

“Os gestores fizeram o preenchimento do formulário em português e, logo em seguida, fiz a tradução para língua inglesa. Neste momento, prestamos o suporte da parte técnica e ressaltamos a importância e necessidade dos diretores terem o currículo lattes atualizado”, esclarece.

Além do suporte para a realização da inscrição, a Semed prestou todo apoio e assistência desde as orientações até a tradução do formulário. “Todas as propostas têm um cunho pedagógico o que irá favorecer o processo de ensino e aprendizagem”, explicou. “A adesão ao programa além de promover a melhoria da qualidade do ensino, irá divulgar e compartilhar para o mundo as ações exitosas que já são realizadas na Rede Municipal de Nossa Senhora do Socorro”, aponta a técnica do Departamento de Gestão Escolar, Fabiana Araújo.

PEA

O PEA é um programa que reúne escolas comprometidas com a promoção dos ideais, valores e prioridades da Unesco. O objetivo principal é criar uma rede internacional de escolas que trabalham a Cultura da Paz em suas propostas pedagógicas.
A rede PEA surgiu logo após a criação da Unesco, em 1953. Mas no Brasil começou em 1969. Atualmente, a iniciativa envolve mais de 10 mil unidades de ensino espalhadas por 182 países.

O principal benefício é participar de uma comunidade que trabalha pelo mesmo objetivo, troca informações, compartilha projetos e ideais. Isso catalisa os esforços e repercute positivamente nas escolas, que podem ampliar o trabalho pela cultura da paz, em todas as suas formas.

Confira a relação das escolas inscritas:

  • EMEI Irmã Dulce
  • EMEI Aparecido dos Santos (Cido Capunga)
  • E.M. Aberlado Pereira de Melo
  • E.M. Anália Vieira Figueiredo
  • E.M. Eduardo Viana
  • E.M. Nair Menezes Santos
  • E.M. José Ferreira Neto
  • E.M. Padre Pedro
  • E.M. Neuzice Barreto de Lima

Por: Lívia Lessa

Arte secular é praticada por mulheres do povoado Estiva

No pequeno povoado Estiva, mulheres colocaram em prática técnica antiga que passa de geração para geração

A técnica de produzir a Renda Irlandesa, surgiu na Itália, ficou popular nos conventos e chegou ao Brasil no começo do século XX. Sendo produzida a mais de anos, essa técnica tem ajudado mulheres a ter uma primeira ou uma segunda fonte de renda, na cooperativa que funciona a quase dez anos, cerca de doze mulheres se revezam entre a paixão e o prazer de praticar essa arte.

Pensando no desenvolvimento da comunidade, um curso foi ofertado pela extinta empresa de cimento Nassau, depois do seu fechamento elas acabaram ficando desmotivadas, porém com o tempo elas foram descobertas, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e com a ajuda da Assistência Social, a cooperativa está a todo vapor. Dona Gilsa Maria, está na cooperativa desde sua criação e hoje em dia já tem muita prática no que faz. “Eu não acho nada difícil não, já estou a dez anos fazendo, ai já tenho bastante prática”, brinca ela quando questionada sobre a dificuldade de se fazer a renda irlandesa.

Ivanilde Santos é a vice presidente da cooperativa e responsável pelos desenhos desenvolvidos, que viram a renda depois, “Às vezes vem as ideias de repente, às vezes as gente ver uma coisinha, aí mistura com outra e no fim sai um desenho maravilhoso”. além dos desenhos ela também confecciona as peças e ressalta o prazer que é ver alguém usando o que é feito por elas. “É uma sensação de muito prazer, ver alguém usando aquilo que a gente faz”.

Três vezes por semana, as doze mulheres se encontram para fazerem a renda, conversa sobre as dificuldades encontradas, uma ajuda a outra, e juntas fazer uma coisa que vai além do financeiro, ajudando elas a distrair a mente, fazer algo diferente e traz o prazer de fazer cada peça única. Em 2008, a renda irlandesa virou patrimônio cultural do Brasil. o que trás ainda mais amor no que é feito.

A técnica é difícil e demorada de ser feita, por isso o alto valor nas peças, para ter noção de valores, elas estão sempre em contato com outras cooperativas de outros municípios, e vão fazer um curso de empreendedorismo para se atualizarem nas questões de venda e quais valores elas podem cobrar.

“Começamos todas juntas, nós reunimos aqui toda tarde na luta, nós vendemos em outros lugares, fazemos eventos, feiras de artesanato. Eu amo fazer renda irlandesa, não é atoa que estou a dez anos fazendo. Ressalta Alenalda Santos que é presidente da cooperativa.

 

Confira a galeria!

3ª Caminhada da Calçada Livre busca conscientizar as pessoas da importância da acessibilidade

No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência a ação buscou conscientizar as pessoas sobre a diferença que a acessibilidade pode fazer na sociedade

Nem o sol forte foi capaz de fazer o pessoal desistir da caminhada. A vontade de conscientizar e sensibilizar os moradores de Nossa Senhora de Socorro era maior, e de forma pacífica, foi realizado a fiscalização dos estabelecimentos que tinha acessibilidade e contribuem tanto para a mobilidade urbana, como para a integração das pessoas com necessidade de locomoção.

“O dia de hoje deveria ser festejado com mais ênfase e mais alegria por parte das pessoas com deficiência”, ressalta Samuel Fernandes que é presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Ele também pontua que o município vem trabalhando nessa inclusão. “Nós acompanhamos a reforma de praças, ruas, prédios públicos que antes não tinham acessibilidade e agora pós reforma estão totalmente acessíveis, exemplo disso são as creches e ciclovias”, finalizou ele.

Para Renato Machado, que é deficiente físico, o dia de hoje é fundamental para a inclusão das pessoas com deficiência. “Precisamos fazer nosso papel para que as pessoas se sensibilize e transforme a vida das pessoas com deficiência”. Ele ainda ressalta que aos poucos pequenas mudanças estão acontecendo. “É possível ver no centro da cidade também algumas mudanças, a acessibilidade vêm se tornando maior em algumas lojas, por exemplo”, disse.

Em comemoração ao dia de hoje, será realizado uma premiação em homenagem as pessoas que compreende a importância dessa inclusão, e adaptaram todo seu comércio. Pensando nisso elas são premiadas como uma forma de agradecimento por ter essa sensibilidade. Além dos comerciantes, gestores públicos, emissoras de rádio e televisão, entre outros também serão premiados.

Por: Marina Santana (Estagiária)

Fotos: João Victor Brasil

Acessibilidade