A Câmara Municipal de Nossa Senhora do Socorro, na manhã da quinta-feira, 04, realizou uma Sessão Especial em Comemoração ao Dia Mundial da Conscientização do Autismo, celebrado no dia 02 de abril. A audiência pública foi mais uma das ações alusivas à data, realizada numa iniciativa da Prefeitura Nossa Senhora do Socorro, por intermédio da Secretária Municipal de Educação (Semed), e que contou com a parceria da APAE Socorro.

Durante a sessão, o vice-prefeito, Betinho, representou o prefeito, Padre Inaldo. “Parabenizo os vereadores de Nossa Senhora do Socorro por abrir espaço para a uma Sessão Especial para debater um tema tão importante”, reconheceu.

Na ocasião, a secretária de educação, Josevanda Mendonça Franco, comentou sobre o empenho e dedicação dos profissionais da Rede Municipal. “O acesso à educação é um direto de todos e o trabalho da educação na perspectiva inclusiva precisa considerar o desenvolvimento da criança e adolescente, ou seja, não se trata apenas do ensino, mas também no avanço no ponto de vista individual”, ressaltou.

A diretora presidente da APAE Socorro, a assistente social Anair Viana, elogiou as ações da Semed e reconheceu a importância de fortalecer a parceria. “Ao longo da semana realizamos diversas atividades, como panfletagens e mesa redonda com discussões e reflexões. Essa sessão especial visa sensibilizar os vereadores para que possam ter consciência da importância do tema. Dessa maneira, futuramente eles poderão aprovar leis mais fecundas com resultados positivos e que possam promover a inclusão”, destacou.

Para a vereadora Conceição da Millenium, é necessário levar informação à sociedade para que se elimine o preconceito. “Quanto mais promovemos espaços de discussão mais colaboramos com a existência de uma sociedade inclusiva e que respeite as diferenças”, disse. “Para nós socorrenses é um privilégio termos uma secretária de educação como a professora Josevanda Mendonça Franco, pois a gestora é aberta ao diálogo e comprometida com as melhorias na educação especial”, mencionou.

Inclusão na Rede Municipal de Ensino

Conforme expôs a secretária, Nossa Senhora do Socorro cumpre com as determinações legais e doutrinárias. De acordo com ela, o trabalho realizado na Rede Municipal reconhece a importância da realização de projetos pedagógicos que possam assegurar a todas crianças e adolescentes o pleno desenvolvimento considerando as suas especificidades.

“Todos têm o direito à escolarização em um ambiente inclusivo, no qual as suas necessidades sejam respeitadas. Por este motivo, é preciso garantir o acesso, a permanência e o sucesso de todas crianças e adolescentes no espaço escolar”, afirmou. “Somamos esforços para promover melhorias na prestação dos serviços educacionais, no âmbito da educação na perspectiva inclusiva”, complementou, ao informar que a Semed está atuando na Busca Ativa. “Além disso, estamos trabalhando na implementação do Currículo Funcional Natural (CFN). Este currículo permitirá que o aluno seja atendido individualmente respeitando a sua capacidade de compreensão”, apresentou Josevanda.

O motorista Antônio José Alves Santos é pai de uma criança com autismo e de acordo com ele, o acompanhamento que seu filho recebe na Escola Municipal Manoel Cunha é importante para o seu desenvolvimento. “Na unidade de ensino além do acompanhamento em sala de aula, meu filho é atendido pelo professor da sala de recursos multifuncionais”, declarou.

Rede Municipal de Ensino presta atendimento aos alunos

O município de Nossa Senhora do Socorro conta com 81 estudantes diagnosticados com autismo. Na Rede Municipal de Ensino tanto no Núcleo de Atendimento Educacional Especializado (NAEE), quanto nas salas de recursos multifuncionais o acompanhamento dos alunos com autismo é feito a partir de abordagens como da Análise do Comportamento Aplicada (ABA) e Ensino Estruturado para Alunos com autismo (Teacch).
“Na Rede Municipal é feito um trabalho com uma equipe multidisciplinar. Os profissionais estão engajados em fortalecer as ações para melhor atender esses alunos, considerando as suas necessidades”, finalizou a coordenadora da Educação Inclusiva, professora Ana Maria dos Santos.

Por: Livia Lessa

Fotos: Edilson Menezes

Acessibilidade