A Secretaria Municipal da Assistência Social (SMAS), através  do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA), apresentou na manhã desta terça-feira, 14, no auditório da Praça da Cultura, localizada no conjunto Marcos Freire I, os três projetos sociais vencedores do edital aberto pela secretaria em benefícios dos cidadãos socorrenses. As iniciativas serão financiadas pelo Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, e têm o intuito de fomentar a iniciativa social no município.

Essa é a segunda edição, que teve como primeiro vencedor o projeto “Cultura sem limites”, que já realiza atividades na área da cidadania, esporte e música com os cidadãos em diversas localidades. Este ano foram três os projetos selecionados, um deles é o “Pescando memórias: dialogando com você”, que já desenvolve atividades voltadas ao combate ao uso de drogas e também à preservação da identidade e cultura do povoado São Brás, desde 2012.

“Esse projeto é multifacetado e trabalha com cultura, esportes e lazer no geral. Realizaremos oficinas de capoeira, futebol e grafite, além de palestras com profissionais sobre conscientização sobre uso de drogas”, explica o fundador do Pescando memórias, Givanildo Santana.

Outro projeto escolhido aborda uma temática social bastante discutida atualmente: o combate à automutilação e o suicídio de jovens. A representante do Núcleo de Ação Social do conjunto Fernando Collor, Márcia Nascimento, explica a necessidade dessa discussão. “Esse assunto é preocupante pela perda de muitos jovens e requer um cuidado especial com acompanhamento que envolve toda a família”.

Márcia Nascimento também fala sobre o terceiro projeto selecionado, que aborda questões de enfrentamento à gravidez na adolescência. “O projeto será desenvolvido com adolescentes, de até 17 anos, gestantes e seus familiares abordando questões de aceitação, prevenção e o envolvimento familiar na superação desses problemas, além dos cuidados com os bebês e as DST’s”, complementa.

Para a escolha dos projetos selecionados foram levados em consideração alguns indicadores, apresentados pelos profissionais da saúde, representantes da educação e todo o conselho, que é formado por membros da sociedade civil organizada e do poder público.

Acessibilidade